Merci d'etre parmis nous*Thank you for being among us* Gracias por estar entre nosotros*Obrigado por estar entre nós* Grazie per essere in mezzo a noi* Danke, dass Sie bei uns* Спасибо за то, что среди нас*Terima kasih kerana menjadi antara kita*私たちの間にいてくれてありがとう* شكرا لك لأنك بيننا
Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish

domingo, 17 de janeiro de 2010

Métrica e ritmo

Opondo-se à prosa, o verso é a forma literária que obedece a normas de métrica, ritmo e rima. A simples apresentação dos textos em verso, ou poemas, permite sua imediata identificação. Cada linha de um poema é um verso e cada bloco de versos forma uma estrofe. De uma maneira mais específica, podemos definir verso como uma sílaba ou sucessão de sílabas sujeitas a medida e a ritmo pré-estabelecidos. Por medida, entende-se um determinado número de sílabas métricas ou poéticas, e por ritmo, o resultado de uma distribuição cadenciada e harmonia de acentos intensivos (também chamados acentos tônicos) no verso, de tal forma que a sensação rítmica se percebe pelo retorno da sílaba tônica, após intervalos regulares.

Em alguns poemas, percebemos versos regulares quanto à metrificação ( estudo da medida dos versos), isto é, todos os versos apresentam um mesmo número de sílabas poéticas. Essa medição de um verso é feita a partir de sílabas, ou seja, de emissões sonoras. Para que se possa proceder à metrificação de um poema é necessário fazer a escansão de seus versos, ou seja, a contagem das sílabas métricas que compõem os versos de um determinado poema.

A contagem de sílabas métricas não é semelhante à contagem de sílabas normais. Isso porque uma vogal átona do fim de uma palavra que se encontre com outra vogal pode a ela unir-se, constituindo o que chamamos de elisão. Difere-se, também, pelo fato de serem desconsideradas todas as sílabas que, na última palavra do verso, aparecem após a sílaba tônica.

Enfunando os papos (verso original)

En – fu – nan – do – os – pa – pos (divisão silábica normal)

1---- 2---- 3--- 4--- 5---- 6---- 7

En – fu – nan – dos – pa – pos ( sílaba desconsiderada)

1---- 2----3---- 4-- --5 (sílabas métricas)

No verso apresentado, ocorre elisão entre as vogais (em do + os). A sílaba que ocorre após a tônica, na última palavra do verso(papos), foi desconsiderada para fins de contagem. O mesmo tipo de eliminação da última sílaba acontecerá em todos os outros versos da estrofe:

Enfunando os papos,

Saem da penumbra, (cinco sílabas métricas /redondilha menor)

Aos pulos, os sapos.

A luz os deslumbra.

(Manuel Bandeira)

Obs.:

Redondilha menor e maior são versos com, respectivamente, cinco e sete sílabas.As redondilhas produzem um ritmo circular, bastante usado nas trovas populares. Alguns poetas utilizaram e utilizam essa métrica, obtendo interessantes efeitos sonoros. Gonçalves Dias, por exemplo, poeta romântico brasileiro, explorou as redondilhas para obter os mais variados efeitos. Abaixo, fragmento de ´´I-Juca Pirama``, escrito em redondilhas menores:

´´Sou bravo, sou forte,

Sou filho do Norte;

Meu canto de morte,

Guerreiros, ouvi.``

Agora, observamos o ritmo cadenciado da ´´Canção do exílio``, escrito em redondilhas maiores :

´´Minha terra tem palmeiras,

Onde canta o Sabiá;

As aves que aqui gorjeiam,

Não gorjeiam como lá.``

Na contagem de sílabas poéticas, as palavras estão ligadas umas às outras mais intimamente, é o que confere ao texto o ritmo e a melodia próprios dos versos.
Os versos que não obedecem a uma regularidade métrica são chamados versos livres.

Para atender à métrica:

´´Que/ pó/ de /dar/ sau / da/de/ à /sa / u/ da/ de``

-----------------(ditongo)-------- (hiato)

Neste verso de Camões, a mesma palavra – saudade – aparece duas vezes.Na primeira com o encontro au em ditongo, na segunda em hiato. A licença poética permite a expansão ( transformação de ditongos em hiatos), tecnicamente chamada diérese e a contração(transformação de hiatos em ditongos), tecnicamente chamada sinérese, dos versos. A sinalefa e a crase ou elisão constituem duas formas de contração de versos tendo em vista a sua homogeneidade métrica

Dependendo do número de silabas métricas em determinado verso, podemos atribuir-lhes nomes, conforme os exemplos abaixo:

Redondilha maior ou heptasssílabo: sete sílabas

´´An /tes/ de a/ mar /eu /di /zi /a``

--1--2-- 3--- 4--- 5-- 6-- 7

Dodecassílabo ou alexandrino: 12 sílabas

´´Re/ boa/ vas / ao/ tro/ pel/ dos/ ín/ dios/ e / das/ fe/ ras``

--1 -- 2--- 3-- 4- - 5-- 6-- 7-- 8-- 9-- 10 - 11- 12

Um verso de dez sílabas chama-se decassílabo ( muito comum em sonetos e presente em Os Lusíadas de Luís de Camões; instituiu-se a chamada medida nova). Existem três tipos , cuja classificação se dá em função do seu ritmo:

Decassílabo sáfico – Tem pausas nas 4.ª, 8.ª e 10.ª sílabas:

´´ Ca/ da um/ de/ nós/ faz / su/ a/ pró/ pria / len/ da``

---1 --- 2 --- 3-- 4--- 5-- 6- 7-- 8-- 9--- 10

Decassílabo imperfeito – Tem pausas na 4.ª e 10.ª sílabas:

´´Cou/be u/ma/ lâm/ pa/ da a/ ma/ ra/ vi/ lho/sa``

--1 -- 2 ---3-- 4 -- 5 -- 6--- 7 -- 8- 9--10

Decassílabo épico ou heróico – Suas pausas são na 6.ª e 10.ª sílabas:

´´As/ ar/mas/ e os/ ba/ rões/ as /si /n a /la /dos``

--1-- 2-- 3-- 4--- 5-- 6--- 7-- 8--9 -10

Os demais metros também recebem o nome referente ao número de sílabas que os constituem:

Monossílabo : 1 sílaba

Dissílabo : 2 sílabas

Trissílabo : 3 sílabas

Tetrassílabo: 4 sílabas

Pentassílabo ou Redondilha Menor: 5 sílabas

Hexassílabo: 6 sílabas

Octossílabo: 8 sílabas

Eneassílabo: 9 sílabas

Hendecassílabo: 11 sílabas

Barbaro: 12 ou mais sílabas poéticas

Versos isométricos
A poesia clássica elaborava preferencialmente poemas com versos isométricos, isto é, com a mesma medida. Por exemplo, a epopéia camoniana foi construída toda ela com versos decassílabos.

Versos heterométricos
A poesia moderna por ser revolucionária, vanguardística, substituiu o verso metrificado pelo verso livre, isto é, livre de qualquer forma de fôrma pré-estabelecida, não tendo nem regularidade métrica nem rima. Alguns poemas de autores modernos podem valer-se de versos metrificados e com rimas, mas sem preocupação com uma determinada regularidade. São os versos heterométricos, metrificados mas com grande variação.




3 comentários:

  1. explico bem valew por me ajuda no meu trabalho fera

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito do teu blogue. Precisava exatamente disso para o meu exame. Nas fontes a informação é mais erudita, para pessoas que se ocupam com esses assuntos e meu nível como estudante ainda não é tão alto.

    ResponderExcluir