Merci d'etre parmis nous*Thank you for being among us* Gracias por estar entre nosotros*Obrigado por estar entre nós* Grazie per essere in mezzo a noi* Danke, dass Sie bei uns* Спасибо за то, что среди нас*Terima kasih kerana menjadi antara kita*私たちの間にいてくれてありがとう* شكرا لك لأنك بيننا
Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish

domingo, 4 de abril de 2010

Análise do poema: Desenganos da vida humana, metaforicamente

Texto I

Desenganos da vida humana, metaforicamente

É a vaidade, Fábio, nesta vida,
Rosa, que da manhã lisonjeada,
Púrpuras mil, com ambição dourada,
Airosa rompe, arrasta presumida.

É planta, que de abril favorecida,
Por mares de soberba desatada,
Florida galeota empavesada,
Sulca ufana, navega destemida.

É nau enfim, que em breve ligeireza
Com presunção de Fênix generosa,
Galhardias apresta, alentos preza:

Mas ser planta, ser rosa, nau vistosa
De que importa, se aguarda sem defesa
Penha a nau, ferro a planta, tarde a rosa?

Vocabulário:
Lisonjeado: agradado, satisfeito.
Airoso: gracioso, elegante.
Presumido: arrogante, vaidoso.
Soberba: orgulho desmedido.
Galeota empavesada: embarcação enfeitada.
Sulcar: cortar.
Ufano: que se sente orgulhoso, honrado.
Fênix: na mitologia, ave imortal que renasce das cinzas.
Galhardia: elogio, elegância.
Aprestar: preparar.
Alento: ânimo, coragem.
Penha: rocha, pedra.
Desatada: desprendida, solta.
Púrpura: cor vermelha.
Apresta: verbo aprestar, preparar rápido.
Alentos preza: gostar de receber elogios.
Nau: navio.


Comentários sobre o poema

Para receber o conteúdo completo (análise do poema), entre em contato através do e-mail:
literaturacomentadablog@gmail.com
Obs: Este Blog não possui patrocinadores. Contribua para mantê-lo atualizado.



Exemplar espelho da técnica cultista ( jogo de palavras), o poeta Gregório de Matos trabalha a temática dos estados contraditórios da condição humana e a vaidade da vida material. Na forma, percebe-se toda a herança do Renascimento: um soneto clássico de versos decassílabos (a ´´medida nova`´ dos renascentistas servindo de pano de fundo para o tema de reflexão moral), com rima em ABBA ABBA CDC DCD, no melhor estilo petrarquiano.

Começando pela análise do título (longo e explicativo), sabemos que o texto vai tratar das desesperanças da vida humana. Desengano é desilusão; desesperança. Somos desenganados quando sabemos que não resta mais nada a fazer para que algo ruim deixe de acontecer. Essas desilusões da vida humana serão abordadas de forma metafórica no texto.

O poeta usou nesse soneto três metáforas para a vaidade: ´´rosa``, ´´planta`` e ´´nau``. A metáfora (provém do grego meta: mudança, + phora: transporte) é uma figura de linguagem em que se emprega um termo por outro, mantendo-se entre eles uma relação de semelhança; é uma ´´comparação abreviada``.
Utilizando-se de disseminação e recolha (conceitos e palavras espalhados ao longo das estrofes e retomados na última), o eu lírico, em tom exortativo, dirige-se a um vocativo, ´´Fábio``, chamando-lhe a atenção para a efemeridade existencial; inútil a vaidade, pois, sendo esta, metaforicamente, rosa matinal, planta na primavera e barco, encontrará, respectivamente, e de modo inexorável, a tarde, o machado e o penhasco, índices inquestionáveis de sua destruição.

Logo no primeiro verso, uma figura de linguagem é apresentada através da inversão da ordem direta dos termos da oração (hipérbato): ´´É a vaidade, Fábio, nesta vida``. Na ordem direta, ficariam assim: Fábio, nesta vida, a vaidade é. A expressão ´´nesta vida`` (adjunto adverbial) define a circunstância sobre a vaidade: é uma desilusão da vida humana, terrena, desta vida e não da outra, eterna, celestial.

Primeiramente, são mostradas as qualidades de cada um desses elementos metafóricos através de uma gradação crescente. Como a rosa, a vaidade ´´rompe airosa``(elegante); como planta, favorecida pelo mês de abril (quando é primavera na Europa), ela segue rapidamente, feito uma ´´galeota empavesada``; e, como uma nau ligeira, preza alentos e galhardias (elogios e elegâncias).

No último terceto, o poeta lança uma adversidade, uma contrariedade, realçando o conflito existente no texto (emprego da conjunção adversativa ´´mas``). Retoma todos os elementos comparativos, dispostos agora na ordem inversa (gradação decrescente): a penha (pedra) destrói a nau, assim como o ferro (o emprego de ´´ferro`` por ´´machado``, isto é, a matéria pelo objeto: metonímia) destrói a planta, e a tarde (o tempo que passa) destrói a rosa.

Texto I
-->
A lição barroca é clara: de que adianta ao homem encher-se de vaidade, se a morte o aguarda, e diante da morte tudo vira nada? Observe que esse poema cristaliza o conflito barroco: de um lado estão os prazeres da vida e o desejo de gozá-los; de outro, a certeza da morte e do fim de tudo.

A conclusão a que se chega, portanto, é que a vaidade é frágil e efêmera. O poema, embora de natureza filosófica, acaba por levar a uma saída religiosa, não explícita: já que não tem valor o corpo, porque tudo passa e o corpo envelhece, o melhor é mesmo cuidar das coisas do espírito, da salvação.

17 comentários:

  1. Oi queridíssimo! Adorei seu blog, muito bem elaborado, me ajudou muito. Gostaria de saber se você pode me ajudar com a literatura atual, escritor Fabrício Viana. Adorei o livro dele, "O Armário". Se você puder me ajudar, quero fazer minha monografia sobre este livro. Obrigadinho!

    ResponderExcluir
  2. Adorei a análise, me ajudou bastante ao preparar umaaula sobre o Barroco.

    ResponderExcluir
  3. Análise extremamente criteriosa, tanto na escolha das palavras a serem utilizadas, como na disposição dos elementos no decorrer do texto. Está de parabéns mesmo...muito obrigada pela ajuda!! Bjos

    ResponderExcluir
  4. Muito Obrigada Nelson, muito grata!!
    Me ajudou muito as análise dos poemas Barroco.
    Agora estou tranquila, para apresentar meu Seminário!
    Ah, gostaria que me ajudasse na análise do livro A cidade e as Serras de Eça, preciso da análise por capitulo.
    Abraços...
    Meu email, para contato meire.ap.lima@hotmail.com

    ResponderExcluir
  5. Muito bom o material, este me foi muito útil para o melhor entendimento do Barroco. Obrigada.

    ResponderExcluir
  6. kra me ajudou paks no meu trabalho hehehe

    ResponderExcluir
  7. Ajudou MUITO!
    parabéns pela análise.

    ResponderExcluir
  8. COISA LINDA SABER QUE HÁ PESSOAS QUE ESTUDAM COM CLAREZA E BELEZA TÃO ÁRDUA MATÉRIA, PARABÉNS

    ResponderExcluir
  9. Esse peoma é simplesmente perfeito. Resume toda a tendência barroca, todo o contraste e o conflito existencial vigente no homem nessa época. Acredito que nos dias atuais não estamos vivenciando um contexto tão diferente, visto que a sociedade está cada vez mais doutrinada nos bens materiais e na imagem em si e esquecida de que tudo é transitório.

    ResponderExcluir
  10. Muy interesante tu blog. Me gusta de verdad. sigue así.
    lavidasegunlavida

    ResponderExcluir
  11. cara valeu isso me ajudou muito no trabalho de literatura barroca
    valeu!!!!!

    ResponderExcluir
  12. Nossa fiquei muito Feliz ao ver que aqui encontrei tudo que eu precisava, nossa muito Obrigado.. de verdade!!!

    ResponderExcluir
  13. obrigado pelas explicações Nelson Souzza, me ajudou e muito na conclusão de um artigo referente a esta obra literaria...

    ResponderExcluir