Merci d'etre parmis nous*Thank you for being among us* Gracias por estar entre nosotros*Obrigado por estar entre nós* Grazie per essere in mezzo a noi* Danke, dass Sie bei uns* Спасибо за то, что среди нас*Terima kasih kerana menjadi antara kita*私たちの間にいてくれてありがとう* شكرا لك لأنك بيننا
Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish

segunda-feira, 29 de março de 2010

Análise do poema: À instabilidade das cousas do mundo

Moraliza o poeta nos ocidentes do sol a inconstância dos bens do mundo


Nasce o Sol, e não dura mais que um dia,
Depois da luz se segue a noite escura,
Em tristes sombras morre a formosura,
Em contínuas tristezas a alegria.

Porém se acaba o Sol, por que nascia?
Se formosa a luz é, por que não dura?
Como a beleza assim se transfigura?
Como o gosto da pena assim se fia?

Mas no Sol e na luz, falta a firmeza,
Na formosura não se crê constância,
E na alegria sinta-se tristeza.

Começa o mundo enfim pela ignorância,
E tem qualquer dos bens por natureza
A firmeza somente na inconstância.


A poesia de Gregório de Matos guarda alguns traços marcantes da poética renascentista: trata-se de um soneto (14 versos, distribuídos em 2 quartetos e 2 tercetos), cuja temática está centrada na reflexão moral e filosófica – o título longo e explicativo da poesia , que é uma característica barroca, evidencia o caráter moralizante do texto.


O esquema de rima é ABBA, ABBA, CDC e DCD. Os versos são decassílabos heróicos. Existe um outro tipo de verso decassílabo. Ele se chama sáfico e apresenta tonicidade na 4.ª, 8.ª e 10.ª sílabas. Seu esquema rítmico é 10 (4-8-10). Façamos uma releitura dos versos 2 e 3. Podemos verificar que esses dois versos oscilam sua acentuação: tanto podem ser considerados heróicos quanto sáficos, pois também poderíamos metrificá-los desta forma:


De / pois / da / LUZ / se / (SE) / gue a / NOI / te es/ CU / (ra)

Em/ tris / tes /SOM /bras/(MOR)/ re a /FOR / mo / SU / (ra)


O esquema rítmico, neste último caso, conservaria um acento secundário, menos forte, na 6. ª sílaba. Podemos dizer que nesses dois versos ocorre uma tensão métrica. O mesmo fato vai ocorrer no 1. º terceto, no verso 10. A tensão – que pode ocorrer no plano da métrica ou em outros planos – é um fenômeno que enriquece um poema, por ampliar seu campo de significação.


O texto trata da transitoriedade da vida, da efemeridade das coisas do mundo, tema bastante caro ao barroco. O poeta utiliza como exemplos da transitoriedade da vida o Sol que não dura mais que um dia, a noite que segue a luz, a beleza que acaba em tristes sombras e a alegria que se transforma em tristeza. É um poema predominantemente conceptista, argumentativo.


Logo na 1ª estrofe, o poeta trabalha com uma característica barroca: o pessimismo, isto é, uma visão negativa para as coisas do mundo e acentua os contrastes através de antíteses (Sol / noite; luz / sombra; alegria / tristeza). O poeta faz considerações sobre a condição humana, diante das instabilidades do mundo. O caráter aflitivo é representado pelos hipérbatos (inversões sintáticas que denotam a desordem do pensamento): ´´Depois da luz, se segue a noite escura``; ´´Em tristes sombras morre a formosura`` e ´´Em contínuas tristezas, a alegria`` (verso marcado pela elipse de um termo: morre, artifício muito comum durante a época barroca.).


Na 2ª estrofe, outra característica do estilo barroco é apresentada: a dúvida, a incerteza, marcadas pelo paralelismo construído através das interrogações – só contém perguntas sem respostas.


A consciência angustiante da fugacidade da vida, da brevidade das alegrias e da passagem do tempo que tudo destrói são expressas nas últimas estrofes por meio de paradoxos ( antítese levada ao extremo – ideias que se chocam, ideias aparentemente absurdas) , onde o poeta funde os opostos :´´E na alegria sinta-se tristeza `` (3ª estrofe) o que gera o verso-síntese: ´´A firmeza somente na inconstância``( 4ª estrofe).


Sendo assim, depois de demonstrar a efemeridade das coisas do mundo, o poeta afirma que a única coisa firme, constante, é o fato de nada ser constante.

18 comentários:

  1. blog maravilhoso!!!!

    ResponderExcluir
  2. Blog maravilhoso!!! [2]
    me ajudou muitoooo...

    ResponderExcluir
  3. Muito obrigado, me ajudou muito!

    ResponderExcluir
  4. me ajudou muito de verdade no trabalho da escola sobre esse belo poema sobre a antitese valeu escritor.....

    ResponderExcluir
  5. EXCELENTE análise, muito útil.
    realmente me ajudou muito na interpretação desse poema tão lindo e tão complexo como a maioria das poesias de autoria de Gregorio de Matos!
    Continue assim!

    ResponderExcluir
  6. Amei a analise....muitoooo obrif=gado msm!!!!!!
    Continue com esse trabalho!!!!!!
    essa analise me ajudou em um trabalho acadêmico!!!
    Ameiii................. Fui


    2010.............

    ResponderExcluir
  7. Excelente a sua análise. Consegui visualizar as características do Barroco muito claramente. Espero que possa continuar ajudando aos outros e a mim. Um forte abraço.

    ResponderExcluir
  8. obrigad me ajudou bastante!!!!estava um pouco pewrdida com algumas conceituaçôes!!!!!

    ResponderExcluir
  9. Obrigada Mesmo.
    Me deu mal apoio em minha atividade!

    ResponderExcluir
  10. parabéns ao blog, tb me ajudou muito vlw ;D

    ResponderExcluir
  11. Oi,
    Gostaria de esclarecer com vc a passagem em que ocorre a disseminacao e recolha

    ResponderExcluir
  12. analise muito bem elaborada, explicaçao clara e objetiva parabens!

    ResponderExcluir
  13. O blog é muito bom!
    Me auxiliou, e tirou algumas duvidas!
    obrigada

    ResponderExcluir
  14. Sem comentários... falou tudo, #partiu passar na Federal

    ResponderExcluir
  15. Análise muito bem elaborada. Muito boa. parabéns!!!!

    ResponderExcluir