Merci d'etre parmis nous*Thank you for being among us* Gracias por estar entre nosotros*Obrigado por estar entre nós* Grazie per essere in mezzo a noi* Danke, dass Sie bei uns* Спасибо за то, что среди нас*Terima kasih kerana menjadi antara kita*私たちの間にいてくれてありがとう* شكرا لك لأنك بيننا
Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish

domingo, 16 de maio de 2010

Marília de Dirceu: Parte III - Lira III



Tu não verás, Marília, cem cativos
Tirarem o cascalho, e a rica, terra,
Ou dos cercos dos rios caudalosos,
Ou da minada serra.

Não verás separar ao hábil negro
Do pesado esmeril a grossa areia,
E já brilharem os granetes de ouro
No fundo da bateia.

Não verás derrubar os virgens matos;
Queimar as capoeiras ainda novas;
Servir de adubo à terra a fértil cinza;
Lançar os grãos nas covas.

Não verás enrolar negros pacotes
Das secas folhas do cheiroso fumo;
Nem espremer entre as dentadas rodas
Da doce cana o sumo.

Verás em cima da espaçosa mesa
Altos volumes de enredados feitos;
Ver-me-ás folhear os grande livros,
E decidir os pleitos.

Enquanto revolver os meus consultos.
Tu me farás gostosa companhia,
Lendo os fatos da sábia mestra história,
E os cantos da poesia.

Lerás em alta voz a imagem bela,
Eu vendo que lhe dás o justo apreço,
Gostoso tornarei a ler de novo
O cansado processo.

Se encontrares louvada uma beleza,
Marília, não lhe invejes a ventura,
Que tens quem leve à mais remota idade
A tua formosura.



Vocabulário
Cativos: escravos.
Minada: escavada
Esmeril: resíduo de minerais pesados.
Granetes: pequenos grãos.
Bateia: gamela de madeira usada para a lavagem de areia ou cascalho que contenha minerais preciosos.
Capoeiras: mato nascido nas áreas em que se faz a derrubada de matas virgens.
Pleito: expressão jurídica para designar litígio, conflito.
Fastos: registros públicos de fatos ou obras memoráveis.



Tomás Antônio Gonzaga nasceu em Portugal. Tendo passado parte de sua infância e adolescência no Brasil, formou-se depois em Coimbra e voltou para o Brasil já homem feito. Influenciado pelo Iluminismo que empolgava a Europa, membro da elite intelectual de Vila Rica, chegou a tomar parte na Conjuração Mineira.

O poeta árcade usava um nome artístico que lembrava a tradição greco-latina: Dirceu. Sua obra maior é, inclusive, intitulada Marília de Dirceu, coletânea de poemas ( liras) em que o autor, personificado como Dirceu, dirige-se à amada pastora Marília, quer para confessar sua paixão, quer para falar da vida em geral, quer para filosofar sobre a existência.

Marília de Dirceu se divide em três partes. A primeira, escrita em liberdade, caracteriza-se pelo tom de plena felicidade, contendo confissões amorosas, descrições da amada e da paisagem mineira, o ideal otimista de vida do ´´pastor``. Na segunda, o eu lírico, fragilizado pela prisão e pela incerteza de seu destino, revela sofrimento físico e moral; predomina um tom trágico, de desalento, de revolta e amargura (passa a usar Marília como um pretexto para falar mais de si próprio, atitude que os críticos consideram pré-romântica). Na terceira, provavelmente após o degredo, fala de amores, desenganos e traições, porém a figura da pastora não mais se encontra presente com tanta intensidade (são dedicadas não apenas a Marilia, mas também a outras pastoras).

Vila Rica era o centro de uma verdadeira ´´civilização do ouro`` que se desenvolveu no século XVIII, na região das Minas Gerais. Foi Gonzaga, entre os poetas mineiros, quem primeiro experimentou introduzir nos seus versos a ousadia de certas expressões muito particulares ao cotidiano como, por exemplo, bateia, capoeira, cascalho, expressões que ajudaram a fornecer a sua poética um timbre caracteristicamente local, particularmente realista e sobretudo de fácil trânsito entre diversos extratos sociais

A Lira III, uma das mais bonitas, apresenta elementos a partir de dois planos. O ambiente que aparece na primeira parte (quatro estrofes iniciais) é exterior, enquanto que o da segunda (quatro estrofes finais) é interior. O ambiente da primeira parte contrasta muito com o da segunda.

Comentários sobre o poema

Para receber o conteúdo completo (análise do poema), entre em contato através do e-mail:
literaturacomentadablog@gmail.com
Obs: Este Blog não possui patrocinadores. Contribua para mantê-lo atualizado.

O poema se compõe de 8 estrofes, de 4 versos cada uma, portanto, de 8 quartetos. Aparecem versos de dois tipos: os três primeiros versos da estrofe são decassílabos; o último verso é hexassílabo (de 6 sílabas). Quanto à rima, ela aparece nos versos pares (versos 2 e 4; versos 6 e 8; etc).

Nas primeiras estrofes (começadas por ´´não verás``) predomina o trabalho dos escravos em algumas atividades econômicas da região como: a exploração aurífera através da mineração (´´minada serra`` – montanha escavada pela busca do ouro) e da garimpagem, (´´granetes de oiro / No fundo da bateia``) presentes na 1ª e 2ª estrofe; a agricultura ( o trabalho braçal no campo em ´´Lançar os grãos nas covas``), na 3ª estrofe e o trabalho pré-industrial na produção do fumo e do açúcar( ´´ enrolar negros pacotes / espremer entre as dentadas rodas ``, na 4ª estrofe).



Nas outras (começadas por ´´verás``) predomina o elogio da vida equilibrada e a atividade amena do letrado, do intelectual na presença da ´´pastora Marília``. A antecipação desse convívio benfazejo é indicada pela exploração de verbos no futuro, presentes em todo o poema. O poeta faz referência, nesse sentido, ao trabalho na magistratura (5ª estrofe) e à vida tranquila que levará no lar, podendo se dedicar à cultura, em concomitância com as suas obrigações (6ª e 7ª estrofes). A felicidade conjugal está evidenciada na ´´gostosa companhia``, ou seja, o contentamento e o prazer que a amada levaria ao eu lírico, enquanto este se dedicasse ao seu ofício
(´´Gostoso tornarei a ler de novo / O cansado processo``).

Uma característica de estilo presente no poema é o largo uso do adjetivo, que na função sintática de adjunto adnominal, ocorre quase sempre anteposto ao nome, como em ´´rica terra``, ´´hábil negro`` e ´´cansado processo``. Trata-se de um caso de leve inversão ou anástrofe, muito freqüente nas poesias árcade e clássica. Em Gonzaga, tal vezo sintático não perturba o notável coloquialismo dos seus poemas.

Na última estrofe, diante da promessa de total dedicação a sua amada, o poeta propõe que a beleza de Marília seja eternizada por sua lira. No ambiente irreal da vida de casados (pois o casamento ainda não se realizou), o poeta não apenas enaltece Marília, mas também a si mesmo.

6 comentários:

  1. Seu blog é ótimo e o que mais gostei foi que além do textotem além de um vocabulário, uma explicação rápida e direta.
    Parabéns e t+

    www.comdestaque.blogspot.com -- www.sarau2eteres.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. sinto uma vontade enorme em entrar nessas imagens , sabe como eu tou dizendo?
    acho demais

    ResponderExcluir
  3. Encantada!!! Parabéns!!! Outrossim, achei o máximo o seu "blogue" escrito na "nossa língua portuguesa".

    ResponderExcluir
  4. Não é a primeira vez que pesquiso minhas coisas aqui, esse blog é realmente muito bom, e da as informações de forma rapida e direta, parabens!

    ResponderExcluir
  5. Obrigada. Me ajudou bastante. Gostei muito do seu blog.

    ResponderExcluir