Merci d'etre parmis nous*Thank you for being among us* Gracias por estar entre nosotros*Obrigado por estar entre nós* Grazie per essere in mezzo a noi* Danke, dass Sie bei uns* Спасибо за то, что среди нас*Terima kasih kerana menjadi antara kita*私たちの間にいてくれてありがとう* شكرا لك لأنك بيننا
Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish

sábado, 2 de abril de 2011

Poema de Sete Faces - Carlos Drummond de Andrade

Quando nasci, um anjo torto
desses que vivem na sombra
disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida.

As casas espiam os homens
que correm atrás de mulheres.
A tarde talvez fosse azul,
não houvesse tantos desejos.

O bonde passa cheio de pernas:
pernas brancas pretas amarelas.
Para que tanta perna, meu Deus, pergunta meu coração.
Porém meus olhos
não perguntam nada.

O homem atrás do bigode
é serio, simples e forte.
Quase não conversa.
Tem poucos, raros amigos
o homem atrás dos óculos e do bigode.

Meu Deus, por que me abandonaste
se sabias que eu não era Deus
se sabias que eu era fraco.

Mundo mundo vasto mundo,
se eu me chamasse Raimundo
seria uma rima, não seria uma solução.
Mundo mundo vasto mundo,
mais vasto é meu coração.

Eu não devia te dizer
mas essa lua
mas esse conhaque
botam a gente comovido como o diabo.


“A poesia cria o mito do homem, enquanto o prosador traça seu retrato.”
(Sartre)

Carlos Drummond de Andrade nasceu em Itabira, Minas Gerais, em 1902. Descendente de família ligada às tradições dos povoadores, mineradores e fazendeiros de sua região, cedo deixou a cidade natal (1916) para estudar na capital do estado. Formado em farmácia, dedicou-se ao jornalismo e ingressou no funcionalismo público. Em Belo Horizonte, pertenceu ao grupo de renovação modernista e dirigiu sua efêmera publicação, A Revista (1925). Posteriormente, fixou-se no Rio de Janeiro, abandonando a militância cultural e dedicando-se à vida de funcionário público e à elaboração de suas poesias e crônicas (estas últimas, publicadas em grandes jornais, o fizeram muito lido e conhecido). Morreu no Rio de Janeiro, em 1986.

Estreando em livro aos 28 anos, Drummond compôs até seus 60 anos (1962) a parte mais importante de sua obra (dez livros de poesia): Alguma poesia (1930), Brejo das almas (1934), Sentimento do mundo (1940), José (1942), A rosa do povo (1945), Novos poemas (1948), Claro enigma (1951), Fazendeiro do ar (1954), A vida passada a limpo (1959), Loção de coisas (1962). Todos esses livros foram coligidos, em 1969, no volume Reunião. Drummond publicou depois várias outras coletâneas de poesias (com relevo para Boitempo & A falta que ama, 1968; As impurezas do branco, 1973; A paixão medida, 1980). Ao todo, 19 livros, que hoje se acham agrupados em Nova reunião (2 volumes).

Além dessa grande obra poética, Drummond publicou volumes de prosa (Contos de aprendiz, 1951, e várias coleções de crônicas). Essa prosa, embora lúcida, penetrante, não tem a inventividade e a tensão de sua poesia; é amena, agradável, apreciada pelo humor, elegância e agudeza. Drummond criou uma linguagem poética própria, original não só no panorama da literatura brasileira, mas também no da literatura internacional de nossa época. Como ocorre com a maioria dos poetas, sua obra apresenta desníveis, mas não é exagero afirmar que, em seus grandes momentos, ela coloca Drummond entre os maiores poetas do mundo.

Devido à vastidão e à complexidade da obra de Carlos Drummond de Andrade, é importante levantar alguns aspectos mais significativos de seus poemas. Os temas que aparecem com mais frequência em sua obra poética são: o desajustamento do indivíduo, a monotonia da vida, a nostalgia do passado, os obstáculos que a vida oferece, a preocupação sociopolítica, a angústia diante da morte, a própria poesia e a falta de perspectiva do homem.

O ´´desajustamento do indivíduo`` é um tema fundamental na obra do poeta. Ele se sente um ser marginalizado, desajustado, um ser deslocado de seu tempo ( um eu todo retorcido). É a fase gauche representada pelas primeiras obras, Alguma poesia e Brejo das almas. A palavra ´´gauche``, de origem francesa (pronuncia-se gôch ), significa lado esquerdo. Aplicada à dimensão humana, significa o ser às avessas, o torto, aquele que não consegue estabelecer uma comunicação com a realidade circundante. São comuns a essa fase da poesia drummondiana certos traços, como o pessimismo, o individualismo, o isolamento, a reflexão existencial, além de certas atitudes permanentes, que se estenderão por toda a obra, como a ironia e a metalinguagem.

Comentários sobre o poema

Para receber o conteúdo completo (análise do poema), entre em contato através do e-mail:
literaturacomentadablog@gmail.com
Obs: Este Blog não possui patrocinadores. Contribua para mantê-lo atualizado.



O Poema de Sete Faces marca o início de uma trajetória poética das mais peculiares em língua portuguesa. De cunho totalmente autobiográfico, nele o poeta se define como um gauche: espécie de bandeira para todo o tipo de verso que doravante fizer, já que tudo se permite a um ser marginalizado, avesso ao contato, calado em suas observações. As sete faces correspondem a sete estrofes, como se fosse um retrato em sete partes. Poema tipicamente modernista, de ruptura com as convenções( descontínuo, inesperado, coloquial). Escrito em versos livres e com estrofes heterogêneas, apresenta elementos que indicam influência das correstes de vanguarda européia: a fragmentação cubista, a falta de pontuação futurista; certas imagens surpreendentes que lembram o Surrealismo (“o bonde passa cheio de pernas”). Há uma aparente desconexão entre as várias estrofes, como se o poeta registrasse flashes da realidade. A ideia básica de cada uma delas é a seguinte:


Na 1.ª estrofe, temos o nascimento do poeta, marcado pela presença de um anjo. É comum, em várias passagens bíblicas, o aparecimento de um anjo para um ser humano (em sonho ou em estado de vigília), com o objetivo de orientá-lo em relação ao futuro. Um exemplo é a presença do anjo Gabriel a José, ordenando-lhe que fugisse de Jerusalém com o menino Jesus. Geralmente são anjos bons, prenunciam coisas boas e auxiliam as pessoas a encontrar o melhor caminho. Enfim, são ´´anjos de luz``. O anjo que aparece ao eu lírico é o contrário disso: é ´´torto``, vive ´´na sombra`` e lhe prediz um futuro gauche. A ironia do poeta nesta estrofe consiste na inversão das características do anjo e da predestinação( uma espécie de paródia da imagem religiosa do anjo).


Na 2.ª estrofe, o mundo exterior ( as casas, os homens, as mulheres, a tarde, o céu azul) é discutido na óptica de um indivíduo gauche: um mundo vazio, superficial, onde as relações humanas parecem ser medidas apenas pelo desejo. Como em toda a obra drummondiana, o desejo amoroso é problematizado, tratado como algo incompreensível, que transfigura o mundo e o sujeito. O fato da existência de tantos desejos impede a tranquilidade e a beleza dos dias. Observe que o eu lírico atribui uma ação própria dos seres humanos – espiar – a seres inanimados, “as casas”, personificando-as. A esse recurso estilístico chamamos prosopopéia.


Na 3.ª estrofe, o eu lírico mostra-se espantado diante desse mundo externo que ele não compreende ( mistura das raças, o movimento da cidade, o bonde – elemento que representa a velocidade). É uma “praça de convites” que o atrai (“Para que tanta perna, meu Deus, pergunta meu coração”), mas ele, altivo, nega-se a fazer parte desse mundo (“Porém meus olhos não perguntam nada”). É o desajustamento entre a realidade interior e a exterior, aliado à percepção da sensualidade.

Observe também o uso do recorte metonímico ("pernas brancas pretas amarelas"). A metonímia é uma figura de linguagem que consiste em identificar um objeto por meio de uma parte de seu todo: no poema, "pernas" se referem, metonimicamente, às pessoas que estão no bonde. Ainda nesse verso, a ausência de vírgulas é um recurso utilizado para criar a justaposição rápida de imagens e, com isso, sugerir a simultaneidade.

Na 4.ª estrofe, o eu lírico evidencia a oposição entre o que é visto e o que é sentido. Neste contexto, o tema do desajustamento é reforçado pela incomunicabilidade com o “outro”. O homem que está atrás do bigode e dos óculos, por sua seriedade e isolamento, parece esconder-se atrás dessa “máscara” para evitar a convivência com as outras pessoas e, com isso, disfarçar a sua própria intimidade. Esse “homem” pode muito bem ser o próprio poeta, como está sugerido também na 1.ª estrofe, tornando o poema inequivocadamente autobiográfico.


Na 5.ª estrofe, outra imagem religiosa ganha destaque; lembra de novo um aproveitamento bíblico: a passagem em que Cristo, em momento de fraqueza, dirige-se ao Pai e reclama de seu abandono e desamparo (Eli, Eli, lamma sabachthani? Isto é: Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?" – Bíblia, Mateus 27:46). Existe uma semelhança entre ambos quanto ao seu relacionamento com o mundo: ambos se sentem vítimas de seu próprio destino gauche, que envolve contradições com a realidade. Note que o apelo do eu lírico é ainda mais dramático do que o do próprio Cristo porque, de acordo com o verso “se sabias que eu não era Deus”, Cristo era Deus e sabia que sua morte era necessária para a causa que defendia. O gauche, porém, é apenas um fraco que não vê perspectivas para o seu confronto com o mundo.


Na 6.ª estrofe(famosa pelo humor que contém), o gauche supõe a possibilidade de chamar-se Raimundo (um nome que contém a palavra mundo – um jogo de palavras). No entanto, ele afirma que tal fato levaria apenas a uma rima, não a uma solução para o desencontro com a realidade. Orgulhoso e individualista, o eu lírico sente-se superior em relação ao mundo que considera errado. Sua postura, contudo, é apenas de distanciamento ( o gauche prefere resguardar-se a ceder em seus pontos de vista sobre o mundo).


Na 7.ª estrofe, é introduzido um interlocutor, até então ausente, identificado pelo pronome “te”. Sem dúvida, há várias possibilidades de interpretação. Quem é? O mundo ou o Cristo? Alguma pessoa amada ou “homem atrás do bigode? Ou seria o próprio leitor? Suponho, até por ser mais coerente com o poema, que seja o leitor, mas...

Discussões à parte, essa última estrofe encerra o poema como um disfarce: ao sentir-se “flagrado” em seu extravasamento emotivo (que se manifesta principalmente na estrofe anterior –"mais vasto meu coração"), o eu lírico delega essa mesma emoção à lua e ao conhaque, como se estivesse envergonhado de assumi-la ("mas essa lua / mas esse conhaque / botam a gente comovido como o diabo"). Ao assumir o fruto da bebedeira e, talvez, da solidão, o gauche torna-se mais gauche ainda quando é desmitificado, revelando-se sentimental, apesar de tudo.

O Poema de Sete faces é significativo da primeira fase da poesia de Drummond, onde o poeta se coloca como um “gauche”, um desajeitado, cujo coração – mais vasto que o mundo – transborda. Mas transborda com ironia, com humor desencantado, sarcástico, com uma espécie de secura que represa a emoção.

38 comentários:

  1. Seu blog é Ótimo!
    Ajuda até em trabalhos escolares e em Literatura
    kkkk'
    Parabéns!
    http://farofanordestina.blogspot.com/
    Visiita se puder!

    ResponderExcluir
  2. Hello Nel, thanks for your comment on my website. Your poesie here is so wonderful, i love it! Sorry, the weekend, i was not at home. weekend vacation by baltic sea!
    I wish you a beautiful new week my friend. Warm regards from island usedom Germany.

    ResponderExcluir
  3. Obrigada Nelson por suas lições! é uma delícia ler suas análises! Quantas poesias no mínimo deve ter um livro de poesias? Beijo. Maria do Céu.

    ResponderExcluir
  4. Nelson, amei a poesia explicada do Drummond, a vida com poesia é sempre mais bela e colorida.

    Amei teu blog, sigo-o com prazer!

    Abraços e ótima semana pra ti.

    ResponderExcluir
  5. Hola Nel,

    No me canso de leerte...es todo un lujo hacerlo.

    Un abrazo

    ResponderExcluir
  6. Anjo torto... homem gauche, desajeitado, de pouca conversa e parco nas amiizades. Um gauche desejoso; demasiados desejos não permitem que o "eu" contemple o azul da tarde "e a beleza dos dias" - "porém meus olhos/ não perguntam nada"...Desesperado, talvez? Seu coração, mais vasto que o mundo questiona Deus e acaba surpreendendo-se, afinal, com a lua e o conhaque.
    O poema se revela em cada um de nós e nos revela nossos anjos tortos e quanto possuimos de gauche.
    Sua interpretação, Professor Nelson nos leva também a isto, a aquilo, a mais isto, e...
    Maravilhoso!

    ResponderExcluir
  7. fantástico, um dos melhores blogs que já visitei um prazer te-lô no meu.

    ResponderExcluir
  8. Merci pour votre message sur mon blogue car il m'a permis de visiter le vôtre. Je suis très impressionnée
    J'adore !
    Merci de partager vos connaissances et votre savoir, d'ouvrir une porte à tous ceux qui comme moi aime les mots qui s'assemble et s'en lasse pour former une mélodie, mais qui ne savent pas forcément d'où viennent ces mots, ni ce qu'ils représentent pour l'auteur.
    Mille fois merci.
    Mamoun

    ResponderExcluir
  9. Gracias por este artículo tan interesante. Tengo que leerme este libro sin falta. Pásate por esta web y échale un vistazo a estos Libros

    Un abrazo

    ResponderExcluir
  10. Meu querido Nel,
    gosto daqui e se eu não estivesse no corre corre estaria mais vezes te visitando.
    Aqui tem "um não sei que" de casa de amigo, só falta um bom vinho para acompanhar a prosa.

    Também sinto a tua falta no Chá das Cinco.
    Te deixo beijos
    Gemária Sampaio

    ResponderExcluir
  11. hi) and I like your blog))
    follow me
    http://valata1.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. I love the translation tab... thanks for sharing! Beautiful and artistic site!

    KW
    http://www.ekfamilybooks.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Many thanks for your glowing comment, I appreciated it very much, have a lovely day,
    Yvonne,

    ResponderExcluir
  14. Felices Vacaciones De Semana Santa Para Todossss!!!!!!!

    http://nsa26.casimages.com/img/2011/04/22/110422010959389881.gif

    Que pasés unas estupendas vacaciones
    disfruta del aire libre y de la buena compañía, y no olvides que a la vuelta quiero seguir viendote por aquí cuidado con la carretera

    ResponderExcluir
  15. I love reading the poems you post. There are many people writing poetry who don't know "real" poetry. You do, and so I come over to refresh my memory. The part for the whole: metonymy.

    This is my favorite stanza:
    The houses watch men
    who run after women.
    The evening might have been blue,
    there were so many desires.
    Explaining poetry is one thing; feeling it is another. A blue evening filled with desires: so evocative. Blue is the color that defines it. Another color: a different emotion.
    Ann Carbine Best’s Long Journey Home

    ResponderExcluir
  16. Thanks for sharing the poem. Very interesting! I like the picture as well. I appreciate you reading my blog. Feel free to follow me isave-usave.blogspot.com

    Thanks for including the translation option. Very thoughtful.

    ResponderExcluir
  17. Thanks to the translation tool I was able to appreciate this poem. Thank you:-)

    ResponderExcluir
  18. Feliz Páscoa para você e sua família, meu amigo
    Nel! Saudações da Itália!
    http://elvenpath76.splinder.com/

    ResponderExcluir
  19. Beautiful site!

    Happy Easter to you and your family !

    ResponderExcluir
  20. Hi Nel,
    Your blog is really interesting, thanks
    Greetings from France.
    nathalie
    http://nathalievanvolsom.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  21. Parabéns pelo blog esta muito bom, já sou teu seguidor.
    Daniel Brandão.
    http://danbrandao.blogspot.com

    ResponderExcluir
  22. "o poema das sete faces"
    que fantástico ensinamento sobre Carlos Drummond.
    que bom teres passado no meu canto para que eu tenha este prazer imenso de conhecer-te e ao teu excelente blog.
    sigo-te aqui e levo-te para a minha lista de favoritos para não perder-te.
    abraço.

    ResponderExcluir
  23. Querido amigo es un placer leerte, escribes maravilloso.

    Entre a dejarte todo mi cariño y avisarte
    que por un Tiempo voy a dejar esta casita
    abierta para todos Pero voy a visitarlos con
    El Sentir del Poeta
    Y el otro Poemas del alma

    http://www.poetas-delmundo.com
    http://www.poemas-delalma.com

    Déjame un Poema
    Que hable de sueños
    De amor, de pasiones
    De grandes amores
    Déjame un Poema
    Que susurre a mi alma
    Palabras de aliento
    De fe y esperanzas
    Déjame un Poema
    Donde descubra tu alma
    Tu mano Tu pluma
    Tu alma desnuda
    Cuentame de penas
    de heridas que sangran
    Para decirte amigo!!!
    Las penas y las heridas pasan
    Y si me lo permites
    Publicaré tus poemas
    Con mucha alegria
    Mis Poetas queridos
    Solo deseo difundir
    Todo el amor y cariño
    Que hay en nuestro
    Mundo bloguero
    A cambio no pido nada
    Déjame un Poema
    Con eso me basta.

    Disculpen que copie y pegue pero mi deseo es llegar a todos
    Y ya muchos saben que mi tiempo es limitado, pero en cada visita
    Dejo mi cariño sincero, Gracias por estar.
    Besitos para ti, que Dios te bendiga hoy y cada uno de tus dias.

    ResponderExcluir
  24. Hola, yo también te agradezco tu visita a mi blog, decirte que siempre serás bienvenido por allí. Ahora que ya soy seguidora tuya me pasaré a menudo, me gusta lo que haces y te doy la enhorabuena. Yo estoy empezando en esto de los blogs, espero algún día tener tantos seguidores como tú. Un saludo de tu nueva amiga de Valencia-España. http://porqueelalmatienevoz.blogspot.com

    ResponderExcluir
  25. sincerely
    wonderful
    I read in one breath
    Thank you for sharing this with me

    ResponderExcluir
  26. Boa tarde.
    Belo documentário.

    Um grande abraço.
    Maria Auxiliadora (Amapola)

    ResponderExcluir
  27. Beautiful blog !! i`m from Argentina and i enjoy you blgo

    ResponderExcluir
  28. Cada visita a este sitio es un sorbo de sabiduría. Gracias por el enlace.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  29. Hi Nelson!
    Dropping by today to say Hello. I like that your blog has translation to English. I love poetry and write poems myself. I love this poem, thanks for sharing it. Stay blessed!

    ResponderExcluir
  30. Grandes nomes da literatura, grandes histórias, ótimas poesias , hoje em dia são poucos os que valorizam este tipo de arte!

    ResponderExcluir
  31. what striking imagery you got there,
    folks behind the mask are haunting, and powerful.
    Thanks for sharing.

    visit and comment for 18 poets so that you get better feedback.

    ResponderExcluir
  32. Thanks for sharing with me the English version, i knew i would like it. I think it raw, heartfelt and deep. Sorry for the mistake my site is actually Voiceoftruelove.wordpress.com, your welcome to visit.
    the one you posted on is not currently active

    ResponderExcluir