Merci d'etre parmis nous*Thank you for being among us* Gracias por estar entre nosotros*Obrigado por estar entre nós* Grazie per essere in mezzo a noi* Danke, dass Sie bei uns* Спасибо за то, что среди нас*Terima kasih kerana menjadi antara kita*私たちの間にいてくれてありがとう* شكرا لك لأنك بيننا
Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Mar portuguez - Fernando Pessoa

Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão resaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!

Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quere passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abysmo deu,
Mas nelle é que espelhou o céu.

Fernando Pessoa nasceu em 1888, em Lisboa, vindo a falecer na mesma cidade, em 1935, com apenas 47 anos. Órfão de pai ainda criança, passou a infância e a adolescência em Durban, na África do Sul, onde obteve educação inglesa, tornando-se um poeta bilíngue. Em 1905, prestes a ingressar na Universidade do Cabo, precisou voltar para Lisboa. Lá chegou a iniciar o Curso Superior de Letras, abandonando-o para instalar uma tipografia, que fracassou. Trabalhou obscuramente como correspondente estrangeiro – redator de cartas comerciais em inglês e francês –, atividade modesta, que acabou por sustentá-lo a maior parte da vida.

Embora tenha participado intensamente das publicações do Modernismo português, seu único livro publicado em vida foi Mensagem, obra com a qual participou de um concurso de poesia do Secretariado da Propaganda Nacional, em Lisboa, em 1934, pouco antes de morrer. O prêmio de segunda categoria que lhe deram, nessa última experiência literária, mostra o quanto não foi reconhecido em vida, embora tenha dedicado toda ela à arte e à poesia. Milhares de páginas têm sido escritas sobre sua criação, uma das maiores do século XX, ao lado de Eliot, Rilke, Pound, Lorca e alguns outros.

Além de Mensagem, escreveu Poemas completos de Alberto Caeiro, Odes de Ricardo Reis, Poesias de Álvaro de Campos, Poemas dramáticos, Poesias coligidas, Quadras ao gosto popular, Novas poesias inéditas. Em prosa, suas obras são: Páginas de Doutrina Estética, A nova poesia portuguesa, Análise da vida mental portuguesa, Apologia do paganismo e Páginas íntimas e de auto-interpretação.

Poeta filósofo, sutil e complexo, Fernando Pessoa escreve em redondilhas rimadas, fundamentalmente procurando reunir o “sentir” e o “pensar” (“ O que em mim sente ´stá pensando”). A inquietação, a necessidade de compreender todas as coisas, a busca constante da consciência, que inclui saber ser ela uma impossibilidade, constituem algumas das características fundamentais de sua obra.

Fernando Pessoa é o poeta que conjuga lucidez e vidência, que se coloca entre o pendor para a paixão, o sonho, a entrega mágico-poética aos mistérios e a postura analítico-racional, de constante indagação crítica. Assim, fragmentou-se, multiplicou-se, reinventou-se, convivendo em profundidade com todas as grandes contradições do nosso tempo e recriando-as poeticamente, numa das monumentais obras-primas da poesia do século XX.

Mensagem é sua obra em versos, ao mesmo tempo, líricos e épicos. Está dividida em três partes: I – Brasão; II – Mar Portuguez; III – O Encoberto. Nela, Pessoa recria a História de Portugal, a partir de Os Lusíadas, de Luís Vaz de Camões. Escrita no período neoclássico (século XVI), Os Lusíadas é considerada a maior epopeia existente em língua portuguesa, tendo imortalizado a glória e a soberania de Portugal, no período da expansão ultramarina.

No diálogo intertextual que Fernando Pessoa estabelece com Os Lusíadas para escrever Mensagem, percebe-se que o objetivo maior desta obra é restabelecer a grandeza messiânica da pátria, conquistada na época de Camões por meio das Grandes navegações Marítimas, e nunca mais recuperada. Em sua atmosfera mitopoética, visionária, Mensagem busca resgatar a glória e a soberania portuguesas, vendo a pátria predestinada a realizar um destino superior, tão nobre quanto o realizado no século XVI, mas de natureza metafísica, espiritual: a criação da Grande Poesia.

Mar portuguez” é uma das mais belas composições de toda a obra de Fernando Pessoa. Nela, o poeta sintetiza, de forma brilhante, os elementos fundamentais no questionamento das Navegações: a dor, o preço pago para que o mar se tornasse português e a pergunta vital – “Valeu a pena?”.

Comentários sobre o poema

Para receber o conteúdo completo (análise do poema), entre em contato através do e-mail:
literaturacomentadablog@gmail.com
Obs: Este Blog não possui patrocinadores. Contribua para mantê-lo atualizado.


Atividades propostas

a) Por que é possível afirmar que o título do poema enfatiza a vocação marítima de Portugal?

b) Que efeito de sentido  produz  o uso  da primeira pessoa do plural no terceiro verso da primeira estrofe?

c) Segundo o texto, quais foram os sofrimentos vividos pelos portugueses para que o mar fosse conquistado?

d) Explique  o sentido dos  versos finais  do texto: “Deus ao mar o perigo e o abysmo deu, Mas nelle é que espelhou o céu.”

e) Identifique as palavras usadas no poema que, por sua grafia, revelam que a aventura náutica  portuguesa refere-se a um passado longínquo.





O poema tem um tom filosófico, épico, elegendo como interlocutor o mar: espaço infinito, de expansão e de aventuras. Faz um balanço histórico com ele, reconhecendo a dor e, também, a necessidade de ultrapassá-la, quando o que importa é o Ideal. Em versos alternadamente de dez e oito sílabas poéticas, com rimas emparelhadas (aabbcc), as duas estrofes de seis versos que constituem o poema exibem alguns elementos essenciais da releitura de Os Lusíadas presente em Mensagem. Sua temática se aproxima da do episódio camoniano do Velho do Restelo, em que se denuncia o imenso sacrifício imposto ao povo pela aventura ultramarina:

Em tão longo caminho e duvidoso
Por perdidos as gentes nos julgavam.
As mulheres e`um choro piedoso,
Os homens com suspiros que arrancavam.
Mãe, esposas, irmãs, que o temeroso
Amor mais desconfia, acrescentavam
A desesperação e frio medo
De já nos não tornar a ver tão cedo.”

Julgando-os perdidos, mães, esposas, irmãs choravam antecipadamente a morte de seus parentes; as lágrimas eram tantas que se igualavam em quantidade aos grãos de areia:

A branca areia as lágrimas banhavam,
Que a multidão com elas se igualavam.”


Fernando Pessoa retoma a fusão das lágrimas com as águas do mar, comunhão mais que perfeita da aventura portuguesa. Como nos outros poemas desta obra, o autor recorre a arcaísmos gráficos, como forma de remissão a um passado longínquo (portuguez, lagrimas, resaram, quere, abysmo, nelle).

Na primeira estrofe do poema, o mar aparece como vocativo, considerado como entidade superior, divina, mitificada (dessas entidades superiores que se alimentam de sangue, da dor, do sacrifício humano). As frases exclamativas realçam o sofrimento causado pela sua conquista, sintetizado pelas lágrimas que, de tão numerosas, colaboraram para torná-lo salgado (conceito hiperbólico). Repare que o eu lírico se manifesta de forma coletiva: “ Por te cruzarmos, quantas mães choraram”. A forma verbal de primeira pessoa do plural (“cruzarmos”) traz implícito o sujeito nós, que expressa a ideia de uma voz coletiva, isto é, de todo o Povo português a lamentar o alto preço pago.

A vocação náutica dos portugueses e os grandes descobrimentos do passado tornaram o tema do mar bastante frequente na Literatura Portuguesa de todos os tempos. Fernando Pessoa, em “Mar portuguez”, focaliza o custo que a aventura marítima representou em termos de vidas humanas e sofrimentos ao povo de seu país (representado pelo choro das mães, a prece dos filhos e a privação das noivas). O possessivo nosso do verso 6 não deixa dúvida de que Portugal adquiriu efetivamente a conquista desejada: o mar.

A segunda estrofe, no entanto, o eu lírico justifica o empreendimento e o esforço supremo: “Quem quere (quer) passar além do Bojador/Tem que passar além da dor”. Para os portugueses, a glória era simbolizada pela superação dos perigos do mar, constante duelo com a morte. O Bojador é um cabo localizado na costa oeste da África, na altura das ilhas Canárias (pouco ao norte do Trópico de Câncer). No início das grandes Navegações, era o limite conhecido do território africano. Portanto, “passar além do Bojador” significa entrar no desconhecido, enfrentar “perigos e abismos”.

E nesse contexto, “ tudo vale a pena” quando se alcança um desígnio maior, destinado pela nobreza da alma não pequena( de inspirações ilimitadas), pois se o mar é perigoso, na mesma medida, é o espelho da grandeza e da sublimidade, já que é nele que se reflete o céu. Ao Ideal expansionista do século XVI, com suas conquistas materiais e suas glórias terrenas, Pessoa opõe outro Ideal: um “Mar portuguez” mítico, metafísico, espiritual: conquistá-lo significa optar pela aventura e pelo sonho, engrandecer a pátria e a humanidade com a força da “Grande Poesia”, portuguesa e ao mesmo tempo universal.

42 comentários:

  1. Professor Nelson,

    Fernando Pessoa e Camões, Portugal e as grandes navegações marítimas, a epopeia portuguesa de avançar além do Bojador e a criação da Grande Poesia em períodos distintos, o neoclássico do século XVI e o modernismo do século XX, conjugam-se em sua análise litetária em direção à grandiosidade: o feito português nos mares.
    E você nos conduz ao intento de Fernando Pessoa do olhar além: além do Mar Portuguez e do sal das lágrimas de Portugal.
    À mente e ao sentir contemporâneos restaria um imenso hiato entre os mares navegados e o sal de suas lágrimas sem a poesia de Camões e de Fernando Pessoa. Como sentiríamos e pensaríamos (o que em mim sente'stá pensando) a dor das mães e filhos, das noivas "que ficaram por casar"? Como tirar o luto das mulheres portuguesas e seu "choro piedoso" que se eternizariam pelos séculos?
    Como você relê, "as lágrimas eram tantas que se igualavam em quantidade aos grãos de areia".
    Mas, ó, passaram além do Bojador e além da dor porque à alma que vai além, Deus não a vê pequena e lhe consola com a miragem do céu espelhado no mar, apesar do perigo e do abismo. E o que veem no céu refletido no mar é a grandeza da própria alma.
    Por isso, valeu a pena!
    E, vale a pena, Professor Nelson, navegarmos nas velas da Grande Poesia, imortalizar seus poetas em nossas navegações pós-modernas. Vale a pena sentirmos e repensarmos palavras e sentimentos de "lucidez e vidência" como as de Fernando Pessoa para abrirmos clareiras na floresta escura da nossa alma, que, com certeza, num certo atrevimento ouso sentir, também não é pequena.
    Parabéns, Professor, mais uma vez! Seu blog é muito inspirador!
    Regina Gaiotto - Tietê/SP

    ResponderExcluir
  2. Hola Nelson que interesante todo lo que nos ofreces. gracias te felicito por tan bello blog.

    un beso grande.

    . * . + . * . * . * . * .
    * . _/\_ * + . . *. *. *. * .
    . * ), "( + * *˜*•. ˜*•. •*˜ . •*˜
    ˜*•. ˜”*°•. ˜”*°•. •°*”˜. •°*”˜ . •*˜
    __˜”*°•˜• *• ˜•°*”˜
    _. •*˜ . •°*”˜. •°*”˜”*°•. ˜”*°•. ˜*•
    ____. •*˜ . •*˜*•. ˜*•.
    _________. •˜•.Lluviaenelsilenciodelanoche

    ResponderExcluir
  3. Hola Profesor Nelson!!

    Queria felicitarte por tu maravilloso trabajo y por tu precioso blog. Me ha fascinado y tus ideas son buenas.
    Espero que sigas persiguiendo tus sueños.

    Con amor,
    Cris.

    ResponderExcluir
  4. me gusta tu blog y te sigo, pasate por el mio y sigueme

    Susana
    http://areumetal.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Muy bonito el blog,y se nota que le gusta a mucha gente,cuantos seguidores!

    Me gustaria que visitaras,mi blog y si te apetece seguirme me encantaría.

    http://www.labibliotecaliteraria.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Every sunrise gives way to a sunset
    every day gives way to night
    every week gives way to a weekend
    there goes the endless cycle of time...
    may joy, laughter & love color your
    forthcoming journey...wish you a lovely
    night & weekend ahead my friend take care :)

    ResponderExcluir
  7. Fernando Pessoa é sempre Fernando Pessoa...
    Simplesmente incrível!
    Parabéns pelo blog.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  8. Olá! No momento estou apenas te seguindo, mas prometo voltar e comentar em breve suas postagens!Agradeceria se seguisse o meu blog, assim criamos um vínculo que facilite a divulgação de ambos os blogs! passa lá?
    http://medicinepractises.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. Me arrependo por não ter conhecido o seu blog antes, com certeza iria me ajudar muito nos tempos da escola.

    ResponderExcluir
  10. nice blog + greetz from germany ;D
    - - -
    WWW.CHIQ21.BLOGSPOT.COM

    ResponderExcluir
  11. Your Blog is Amazing :)
    i Like this. i follow him <:

    xoxo ♥

    http://lovelikeafeather.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Que maravilloso, de cultivar y dar a conocer a fondo a este gran poeta, felicitaciones!

    ResponderExcluir
  13. Hola Nel:

    Primero, gracias por visitar mi Blog, encantada de recibirte en casa y muchas gracias por tu mensaje.

    Estoy visitando tu Blog y estoy maravillada con tu trabajo, seré una asidua seguidora tuya, sigue adelante amigo.

    Mau
    http://kioskodemau.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Me ha encantado el poema de Pessoa, esa fina sensibilidad para expresar el dolor de la separacion y de la soledad y el amor al país de origen.
    El blogs esta bellamente diagramado, exitos.

    ResponderExcluir
  15. MUCHAS GRACIAS POR COMPARTIR TAN INTERESANTE POST. UN GUSTO VISITAR SU ESPACIO.
    UN ABRAZO

    ResponderExcluir
  16. ¡Lástima que también los mares, tan anchurosos, necesiten dueños
    que los hagan propios!
    ¡Oh, de la mar océana,
    tanta sal,
    tanto ensueño,
    tanta calma...!!!

    PiiMª Pilar

    ResponderExcluir
  17. Beautiful post and beautiful blog!
    Nice to meet you here!
    Greetings from Greece..

    ResponderExcluir
  18. Muy bellos trabajos, de gran reflexión...Excelente blog, un placer recorrerlo.
    Saludos afectuosos...
    Raquel Luisa Teppich

    ResponderExcluir
  19. Bello tu blog, fue un placer leerte. Interesante todo lo que publicas sobre el gran Poeta Pessoa. Besos, cuidate.

    ResponderExcluir
  20. Este sí es realmente un buen blog. Estoy impresionada. Me parece bellísimo. Sin duda lo seguiré porque me ha encantado. Un fuerte abrazo.

    ResponderExcluir
  21. hola, me encanta el portugues... aunque entiendo muy poco.
    te mando un saludos enorme
    Maru

    ResponderExcluir
  22. Olá meu amigo..Muito obrigado..!! Saudações da Grécia..

    ResponderExcluir
  23. am sending you a rainbow of joy, care & love to color your day & night...dazzling sun rays to light your
    path...soft moon rays for peace & rest...and a bouquet of breeze to sweep away worries for
    better days & nights...my wish for you for the new week ahead...have a pleasant Sunday evening my friend
    take care ;)

    ResponderExcluir
  24. "El otoño que tengo es el que he perdido".

    Adoro a Pessoa.


    Te sigo!!

    ;)

    ResponderExcluir
  25. Bonito blog. Saludos desde Cuba,
    Zenia

    imaginados.blogia.com

    ResponderExcluir
  26. Gracias por interesarte en temas relativos a mi país, tu blog tiene muy buenas imágenes, para su contenido le pediré a la tecnología que me lo traduzca.

    Daniel de Asuntos Mineros y de La pupila insomne

    ResponderExcluir
  27. Hola Nelson, te felicito por tu bello espacio! Es un hermoso bosque donde podemos transitar los senderos de la poesía, posarnos como mariposas y disfrutar en plenitud del legado que los grandes maestros de la palabra y la sensibilidad nos han obsequiado.
    Un cálido saludo
    Obrigada por tu comentario!:)

    Patrice A. Blanco
    patriceab@gmail.com
    http://www.petalosdeluzparati.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  28. Gracias!!!por comentar sobre mi blog,me hace mucha ilusión su comentario,Nelson; sobre todo porque veo que es ud un gran profesor,y yo estoy comenzando a editar mi blog,me dedico a la decoración de interiores y estoy encantando de,haber conocido su blog para enriquecerme de su cultura....Muchas gracias maestro.

    ResponderExcluir
  29. Olá! Eu ainda estou a aprender o português e a literatura brasileira e portuguesa, moro no Brasil faz apenas dois anos e fico feliz quando tenho oportunidade de conhecer melhor tudo que se relaciona com a cultura brasileira.

    Agradeço sua visita ao meu Blog "Um dia e dois dias" e aguardo sua visita em breve.

    Te desejo a Paz e "que seus dias sejam doces como o mel"

    Com carinho,
    Adelle 'Isha Shiri'

    ResponderExcluir
  30. Hola de buenas noches...

    Pasaba por estos lares y entre a saludarte y leerte, ha sido un placer descansar un ratito en tu bello rincón..

    Gracias por tus palabras en mi pequeño rincón

    Saludos de bellos sueños

    ResponderExcluir
  31. Muy interesante, felicidades Nel.
    Un cordial saludo.

    Gabriel.

    ResponderExcluir
  32. hola Nelson,
    paso a saludarte y desearle a todas las mujeres que te rodean en tu hogar y te visitan en tu blog y a todas las mjeres que conoces, un feliz día de la mujer!

    un fuerte abrazo^^

    ResponderExcluir
  33. Hola vengo a darte un beso.. y un abrazo y desearte lo mejor. tambien admiro tu capacidad intelectual de plasmar tanta hermosura en letra la cual me alimenta y me hace regresar..

    un abrazote...

    besos..

    ResponderExcluir
  34. Me ha parecido muy interesante.

    Un beso.

    ResponderExcluir
  35. EXCELENTE TUS PUBLICACIONES!!! Beso

    ResponderExcluir
  36. Hola Nel¡¡¡gracias por el comentario en mi blog,en el blog de Fernando y Cristina;espero eso de que me sigas visitando,al igual que nosotros el suyo,aunque tengo que decirle que nos quedamos impresionados,de ver tanta gente que le sigue,le vuelvo a repetir que estamos encantados de que ud,esté en contacto con nosotros; encantados de coincidir en esta vida Nel¡¡¡,le dejo un poema de un poeta Andaluz Manuel Machado,espero que le guste,un saludo Nel... desde Málaga,mis mejores deseos para ud.
    El jardín negro

    Es noche. La inmensa
    palabra es silencio...
    Hay entre los árboles
    un grave misterio...
    El sonido duerme,
    el color se ha muerto.
    La fuente está loca,
    y mudo está el eco.

    ¿Te acuerdas?... En vano
    quisimos saberlo...
    ¡Qué raro! ¡Qué oscuro!
    ¡Aún crispa mis nervios,
    pasando ahora mismo
    tan sólo el recuerdo,
    como si rozado
    me hubiera un momento
    el ala peluda
    de horrible murciélago!...
    Ven, ¡mi amada! Inclina
    tu frente en mi pecho;
    cerremos los ojos;
    no oigamos, callemos...
    ¡Como dos chiquillos
    que tiemblan de miedo!

    La luna aparece,
    las nubes rompiendo...
    La luna y la estatua
    se dan un gran beso.

    ResponderExcluir
  37. adoro fernando pessoa, o primeiro poema é um dos mas tocantes

    ResponderExcluir
  38. fernando pessoa adoroo demais, boa escrita...bj

    ResponderExcluir
  39. Tudo vale a pena, porque a vida é imensa se alma assim também for, vale viver intensamente a dor se seu caminho for de encontro ao amor. Passando pra te desejar um lindo fim de semana, Nelson. abraço.

    ResponderExcluir