Merci d'etre parmis nous*Thank you for being among us* Gracias por estar entre nosotros*Obrigado por estar entre nós* Grazie per essere in mezzo a noi* Danke, dass Sie bei uns* Спасибо за то, что среди нас*Terima kasih kerana menjadi antara kita*私たちの間にいてくれてありがとう* شكرا لك لأنك بيننا
Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish

quinta-feira, 5 de abril de 2012

Psicologia de um vencido - Augusto dos Anjos


Eu, filho do carbono e do amoníaco,
Monstro de escuridão e rutilância,
Sofro, desde a epigênesis da infância,
A influência má dos signos do zodíaco.

Profundissimamente hipocondríaco,
Este ambiente me causa repugnância…
Sobe-me à boca uma ânsia análoga à ânsia
Que se escapa da boca de um cardíaco.

Já o verme — este operário das ruínas —
Que o sangue podre das carnificinas
Come, e à vida em geral declara guerra,

Anda a espreitar meus olhos para roê-los,
E há-de deixar-me apenas os cabelos,
Na frialdade inorgânica da terra!


Vocabulário


Rutilância: qualidade de rutilante, muito brilhante, resplandecente.
Hipocondríaco: em sentido figurado, triste, melancólico.
Carnificina: grande quantidade de corpos mortos; matança.
Carbono: composto orgânico presente em todos os vegetais e animais.
Amoníaco: gás que se encontra nas matérias em decomposição.
Epigênesis: teoria da geração dos seres por estágios graduais. No texto, pode significar origem.


Paraibano, nascido em 1884, no engenho do Pau d’ Arco, filho de pequenos proprietários rurais, Augusto dos Anjos testemunhou a ruína financeira da família, resultado da decadência do sistema latifundiário, que nos primeiros anos do século XX foi substituído pelas grandes usinas.

Iniciou seus estudos no Liceu Paraibano, em 1900, e já nesse ano publicava seu primeiro trabalho, o soneto “Saudade”, no Almanaque do Estado da Paraíba. No ano seguinte, inicia colaboração no jornal O Comércio, publicando aí seus poemas até 1908.

Cursou Direito em Recife, sem nunca ter advogado; porém foi neste ambiente acadêmico que Augusto familiarizou-se com a ciência da época. Absorveu de tal modo os termos científicos, que passa a empregá-los na linguagem oral e escrita.

Durante toda a sua vida foi professor de Português e Literatura Brasileira, seja em bons estabelecimentos de ensino, como em aulas particulares.

Paralelamente as suas atividades como professor, sempre colaborou em jornais, publicando seus poemas. Em busca de melhores condições financeiras, Augusto foi para o Rio de Janeiro, passando sérias dificuldades para sustentar a esposa e os filhos.

Tudo isso agravou seu estado de íntima revolta, fazendo-o descrer do mundo e ver em tudo podridão física e moral.

Em 1912, com a ajuda do irmão, edita a sua coletânea de poesias com o título Eu. O livro provocou escândalo entre os leitores da época que, acostumados à elegância parnasiana, depararam com uma obra cuja linguagem ainda hoje pode ser considerada de caráter original, paradoxal e até mesmo chocante.

Essa foi a única obra, pois veio a falecer dois anos depois dessa publicação, aos trinta anos de idade, vítima de pneumonia. Estava, então, no interior de Minas Gerais, para onde fora transferido a fim de exercer a função de diretor de um grupo escolar.



Seu único livro é composto de cinquenta e oito poemas, escritos quase todos em versos rimados e decassílabos. Tradicional do ponto de vista técnico, o Eu aborda, porém, a temática da podridão, da decomposição, do terror, da morte e do sofrimento. Posteriormente, a obra foi republicada com o acréscimo de outros textos, passando a ser chamada Eu e outras poesias.

Augusto dos Anjos é um poeta que não se encaixa nos moldes de nenhuma corrente literária, autor de uma poesia pessimista, mórbida, de imagens impactantes. É parnasiano na forma (soneto, métrica e rima), naturalista no vocabulário (uso de terminologia científica), simbolista na sonoridade áspera de seus versos, decadentista no pessimismo de suas constatações, expressionista pelas distorções e exagero, mas essas classificações não conseguem apreender toda a complexidade de sua poesia. A influência de estéticas do século XIX aproximou-o dos demais autores pré-modernistas, mas a ausência de referências ao Brasil de sua época diferenciou-o deles.

Os poemas de Augusto dos Anjos tematizam a dor de existir e a inevitabilidade da morte. Não se trata, porém, de uma poesia espiritualista, que reflete sobre o destino da alma. Pelo contrário, fixa-se na matéria e no processo de decomposição do corpo. O eu lírico afirma a incondicional podridão para a qual se dirige todos os homens, destino que desqualifica a existência. Seguindo o pensamento do filósofo alemão Schopenhauer, de grande repercussão no período, Augusto dos Anjos via a dor como a essência do mundo e os momentos de prazer, apenas como sua suspensão temporária.



Para expressar sua visão negativa, o eu lírico desestabiliza a própria poesia, recorrendo a termos e a imagens incomuns no campo poético, como se lê em “Psicologia de um vencido”.

O poema descreve as ações do eu e do verme. O eu somatiza o drama existencial, enquanto o verme arquiteta silenciosamente a destruição final do eu. O vocabulário científico, tomado principalmente à química e as imagens repulsivas reforçam a natureza perecível e finita do homem.

Para explicar o procedimento poético de Augusto dos Anjos, o crítico Anatol Rosenfeld usou a expressão exogamia linguística, que significa a introdução de um elemento estranho no fluxo histórico de uma língua. No caso da poesia pré-modernista, o elemento estranho não eram os estrangeirismos, mas sim o vocabulário científico, os coloquialismos e os termos relacionados à deterioração do corpo, que, ao lado de palavras consideradas comuns em poemas, resultam em uma combinação insólita e provocativa, que dessacralizou o poema e lhe deu um novo vigor.

Comentários sobre o poema

Embora o título contenha a palavra “Psicologia”, o poema (soneto, composto de versos decassílabos, com esquema rímico ABBA ABBA CCD EED) detém-se a tratar da matéria, das substâncias químicas que formam o “eu”, evitando maior introspecção. Apesar disso, é possível constatar o negativismo interior do eu lírico, que se considera “vencido” em virtude da fragilidade física do ser humano e da força implacável da morte.

Na primeira estrofe, o eu lírico se remete a um fato da infância que se estende até o presente. Profundamente pessimista em relação à vida, ele tem em si mesmo a visão de ser apenas um conjunto de substâncias químicas (“Eu filho do carbono e do amoníaco”) cujo destino, através do desenvolvimento do poema, é a morte e a decomposição.

Essa concepção trágica da existência em Augusto dos Anjos, essa dor de existir tão caracteristicamente simbolista assume, como em Cruz e Sousa, uma dimensão cósmica: “Sofro, desde a epigênesis da infância, / A influência má dos signos do zodíaco”. Perceba que estes versos, além de revelarem certa angústia moral, abordam a miséria da existência humana desde o momento de sua constituição mais elementar.

Na segunda estrofe, o eu lírico apresenta o seu desagrado em relação ao ambiente que vive. Palavras como “hipocondríaco”, “ânsia” e “cardíaco” exprimem a concepção do homem como um ser mórbido e doentio.



A partir da terceira estrofe, o eu lírico projeta suas expectativas para o futuro. Para isso, utiliza o maior símbolo da degenerescência e da podridão da matéria humana: “o verme”. Observe que o poeta utiliza o recurso da metáfora “operário das ruínas” para caracterizá-los. “As ruínas” seriam o corpo humano sem vida, com os vermes, em seu trabalho de decomposição, comparados a operários.

Na última estrofe, o eu lírico trata a morte friamente, como se a pressentisse e se preparasse para vivê-la. A rudeza é evidenciada nas imagens do “sangue podre das carnificinas”, do roer dos olhos pelo verme e da permanência exclusiva dos cabelos.

O pessimismo verificado em “Psicologia de um vencido” está presente em quase toda a obra de Augusto dos Anjos. Mas, se na visão do poeta as forças da matéria conduzem apenas ao mal e ao nada, o que resta a esse eu que guarda em si toda a angústia do mundo?

A linguagem do poema surpreende e modifica uma tradição poética brasileira, constituída em grande parte com base em sentimentalismos, delicadezas, sonhos e fantasias (desvinculação da arte com o conceito de beleza). “Carbono”, “amoníaco” e “epigênesis”, por exemplo, são vocábulos empregados poeticamente por Augusto dos Anjos que tradicionalmente seriam considerados antipoéticos (os mesmos provêm da ciência, particularmente da Química).

24 comentários:

  1. Nelson,
    eis, entre nós, o poeta mais radical na sua "modernidade". É minha modesta opinião, mas quis reafirmar ao ler sua postagem. Sua apresentação do poeta e análise de poema foram capazes de mostrar isso.
    Feliz Páscoa.
    Gilson.

    ResponderExcluir
  2. Confesso que eu deveria conhecer (ou lembrar) mais de Augusto dos Anjos do que normalmente faço. Ele é simplesmente brilhante.

    :*

    http://hey-london.net

    ResponderExcluir
  3. Hi Nelson,
    I trust you are enjoying the Easter Weekend. Just stopped by to make sure all is well with you.
    An interesting man...this Augusto dos Anjos.

    Peace and respect...
    Carolyn
    Nashville, Tn.

    ResponderExcluir
  4. Caro Nelson, após bela, bela poesia de Augusto, não sei e não posso fazer graças a você, felizes para seguir seu blog, obrigado por visitar o meu, você está sempre bem-vindas para ele, eu espero.

    Beijos ciganos

    ResponderExcluir
  5. Augusto dos Anjos, na minha opinião, é um dos melhores. É composto de pura irreverência e tudo que eu gostaria de dizer. Sim, a gente vive nesse mundo em que realmente nos dá vontade de só fazer poemas desse cunho.

    Quando der, visite meu blog de poemas e prosas: http://novembrofrio.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Maravilhosa sua postagem.
    Grande poeta Augusto dos Anjos.


    Desejo que sua páscoa tenha sido excelente.
    Uma ótima semana!
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  7. Muito interessante sua análise do texto... Legal a parte biográfica do autor, Augusto do Anjos. Fantástico o que você faz no seu blog.

    ResponderExcluir
  8. Adoro literatura então já to seguindo aqui.

    ResponderExcluir
  9. Muito legal o blog. Seguindo com ctza, bjs
    http://valeapena-helena.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. muito interessante teu texto e teu blog. parabéns.

    ResponderExcluir
  11. Olá Nelson Souzza,
    Muito obrigado por seu comentário tipo! Que bom que você gostou do post. É uma referência ao site de música búlgara. A canção tem um conteúdo muito forte. Muito parecido com os versos que você postou - "Psicologia do perdedor."
    Minha opinião pessoal - não assustador se você está perdido, muito pior se você conseguir se levantar.
    Você tem um blog ótimo! Cumprimento :)

    ResponderExcluir
  12. Sir, your very fine
    What you write is the most wonderful and most deeply Tntherh
    I liked
    Long as you love

    ResponderExcluir
  13. Hello! Thankyou fo visiting my blog. I´m glad that you enjoyed it though it´s written i Swedish.
    I was happy to see that you live i Rio. I once lived there too when my father worked at LM Ericsson telephonecompany. It´s long ago and I was just a child then so I´m sorry to say that I lost all my portuguese.
    Muito interessante teu texto I remember though....
    Greetings from Ninja

    ResponderExcluir
  14. Sigo tus post literarios, Nelson.
    Un afectuoso abrazo

    ResponderExcluir
  15. Hello!
    Thankyou for visiting my blog. I`m glad that you enjoyed it although it is written in swedish.
    I wish you a pleasant week/Ninja

    ResponderExcluir
  16. Tus huellas me han traído a tu bello blog.
    Te sigo.

    Un abrazo

    ResponderExcluir
  17. Nelson , que bom que estás de volta ! Fizeste falta , meu caro (:
    Já tinha lido um pouco sobre o Augusto, mas nunca uma de suas obras , achei muito interessante esta em particular .
    Enfim, não suma de novo, por favor; é muito bom compartilhar leituras.
    Um grande abraço, e até breve, eu espero <3

    ResponderExcluir
  18. Quite interesting! Enjoy your blog very much!
    And many thanks for visiting mine!

    ResponderExcluir
  19. Nelson muy bueno te relato y me encantó tu blog , te invot también a que pases por el de Poesía también saludos, te sigo

    http://beapoesiayletras.blogspot.com.es/

    ResponderExcluir
  20. un abrazo desde Chile
    muchas gracias por la huella

    tienes un blog de divulgación de autores variopintos
    para mí un hallazgo, no los ubico

    ten una semana preciosa

    ResponderExcluir
  21. Hola Nelson, te felicito por tu magnífico y didáctico blog, es muy interesante, por lo que no dejaré de visitarte.
    Un saludo.

    ResponderExcluir
  22. Seus posts sempre muito completo. Fiquei muito feliz por seguir meu blog, acho que o número 125 é um bom número.
    Nossa preciso vir aqui com mais calma pra analisar essa parte literária, você entende bem isso, abraço CY

    ResponderExcluir
  23. Great job with your post
    Follow u, can u follow me??
    I only have 2 followers :S
    thanx :)

    ResponderExcluir
  24. Perfeito comentário!! Me ajudou entendeu melhor o Poema ;)
    Augusto dos Anjos Foi o Cara :D

    ResponderExcluir